GAF

Aquisição de seguro rural pode elevar produtividade no campo

Apesar dos avanços tecnológicos observados na atividade agrícola nos últimos anos, existem fatores que podem comprometer a produção nas lavouras brasileiras, especialmente quando se fala em riscos climáticos. Nesse sentido, a aquisição de seguro rural é imprescindível para o sucesso do produtor.

“O seguro rural tem o papel de proteger o capital que o produtor investiu, possibilitando o desenvolvimento de novas tecnologias na aquisição de equipamentos, produção ou aumento de produtividade”, afirma Alvaro Dabus, Diretor da AD Corretora de Seguros.

Para o executivo, o clima é um fator de grande preocupação para o desempenho das lavouras. Exemplo disso foi o excesso de chuvas que atingiram o Mato Grosso do Sul nos últimos anos, onde os produtores do Estado tiveram quebra de 30% na soja.

E esse risco climático não fica restrito somente ao Brasil. Ele lembra que em 2010, a Rússia teve 40% de quebra decorrente de seca. Na Argentina, em 2009, o índice chegou a 35%. Na Austrália as enchentes de 2010 resultaram em 40% de quebra de safra. “O setor de seguros apresenta soluções inovadoras que podem ajudar a minimizar os impactos financeiros decorrentes da quebra de safra”, ressalta Dabus.

Números do setor - Em dez anos, o Brasil ofertou 617 mil apólices de seguro rural para 137 mil produtores, com um capital de R$ 85.5 bilhões. A cobertura de área protegida chega a 52,3 bilhões de hectares segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Apesar dos números expressivos, o diretor da AD Seguros acredita que o produtor brasileiro ainda não adquiriu a cultura de fazer aquisição de apólices se comparados com outros países. Os Estados Unidos, por exemplo, é o maior mercado de seguro rural do mundo. Nas lavouras norte-americanas, de 80% a 90% da área agrícola conta com essa proteção. Já no Brasil, esse percentual fica em 6%.

Expectativa - De acordo com Alvaro Dabus, o segundo semestre para o setor de seguros agrícolas tem uma boa perspectiva, pois, “em época de escassez de recursos, novas formas de mitigação de riscos como Seguros Índices Climáticos e Seguro Ambiental passam a ter um papel relevante, na medida que os prejuízos decorrentes de Secas e estiagens e também Acidentes Ambientais passam a ser riscos possíveis de cobertura por Seguro”, ressalta.

Para falar mais sobre seguro agrícola, danos ambientais, riscos na lavoura e como mitiga-los, Alvaro Dabus estará presente no Global Agribusiness Forum 2016, no painel Financiamentos e Serviços. Para saber mais detalhes acesse: http://www.globalagribusinessforum.com/pt-br