GAF

Brasil aumentará de 6,9% para 10% sua participação no comércio agrícola em cinco anos, promete Maggi

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, disse nesta segunda-feira (04), em palestra no Global Agribusiness Forum (GAF), que, em cinco anos, o Brasil aumentará sua participação no comércio agrícola internacional de 6,9% para 10%. “Esta é a meta que estabeleci para o crescimento de nossas exportações”, afirmou. Organizado pela Datagro, o GAF acontece entre hoje e amanhã em São Paulo (SP).

Segundo Maggi, a Ásia – não só, obviamente, a China – é o principal mercado-alvo, mas, claro, sem deixar de lado também, Estados Unidos e União Europeia. Entre os produtos agrícolas, o ministro frisou que a pauta exportadora nacional é diversificada, já que somos líderes em vários segmentos, mas deu importante ênfase ao potencial de o Brasil aumentar sua produção de carnes, a fim de participar de modo substancial como um grande fornecedor internacional de proteína animal. Outro produto, destacado por Maggi, como de enorme potencial de mercado em nível mundial foi o etanol.

De acordo com o ministro, o Brasil precisa atrelar ao seu produto agrícola o conceito de sustentabilidade como um atributo, um diferencial mercadológico a ser trabalhado nas negociações internacionais. “Nossa agropecuária cresce em produtividade, temos 61% do território coberto por vegetação nativa e nossa legislação ambiental é a mais rígida do mundo.” Por tudo isso, ressaltou Maggi, é que temos que trabalhar nossa produção sustentável como uma espécie de “green card” no comércio agrícola mundial.

O ministro salientou, também, que neste desafio, o Brasil precisa se manter vigilante no tocante à defesa sanitária. “Faz tempo que não temos nenhum problema, mas uma hora pode acontecer.” Maggi, pontuou, ainda, que o agronegócio não é despesa, sendo sim investimento, e o próprio governo federal precisa entender melhor isso.