GAF

Governo conta com os assentamentos para ampliar o comércio mundial do Agronegócio

O Brasil quer 10% do mercado mundial agrícola em cinco anos. Foi com essa meta que o Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, iniciou sua fala no Global Agribusiness Forum (GAF), nesta segunda-feira, em São Paulo–SP. 

Para isso, o ministro propõe incluir os assentamentos nas estatísticas produtivas brasileiras. Segundo ele, são mais de 47 milhões de hectares de terras pouco produtivas, distribuídas para 640 famílias assentadas. Um estoque de terras e pessoas, de acordo com o ministro, que precisa ser incluído no cenário do agronegócio brasileiro. 

E o primeiro passo já foi dado. Diante do presidente interino, Michel Temer – presente na planteia do GAF -, o ministro formalizou o pedido para agilizar o processo de liberação dos títulos das terras sob assentamento. Só assim, segundo o ministro Blairo Maggi, vai ser possível que estes pequenos produtores tenham acesso a crédito e as tecnologias agrícolas. “Ao invés de ficar brigando com esse pessoal, nós vamos incluir e não excluir... Esse movimento, tenho certeza, vai ajudar o Brasil a sair da crise”, declarou. 

Além de aumentar a área produtiva com os assentamentos, o ministro pediu atenção para dois outros pontos importantes no processo de ampliação do comércio mundial. O primeiro deles é o Brasil oferecer maior apoio ao trabalho dos diplomatas, que são os responsáveis pelas negociações internacionais. O segundo, é a fiscalização sanitária. Ele demonstrou preocupação com possíveis barreiras no comércio internacional por conta o aparecimento de doenças e pragas. “Nós temos que ter a competência e estrutura para identificar problemas e agir imediatamente”, concluiu.